domingo, 27 de fevereiro de 2011

HOMEM-ESCUDO by Bruno Sauerbronn

9 comentários:

Lorde Lobo disse...

O Homem-Escudo não serviu para nos apresentar a um belo personagem, mas a um criador de mente aberta e humilde o suficiente para buscar e aceitar a ajuda de outros. Com sua humildade, ele nos deu uma grande lição, nos mostrando que é dessa forma, ouvindo opiniões, separando as que lhe servem e descartando as que não lhe serviam (mas com gratidão e educação), que alguém pode crescer, seja no ramo que for, e nos quadrinhos não é diferente!
Bruno está de parabéns pela criação e evolução do Homem-Escudo!
E Lancelott está também de parabéns, por este precioso espaço de divulgação dos personagens brasileiros!
Abraço!

Lancelot disse...

Salve Lobo!
Suas palavras também demonstram gratidão e reconhecimento, legal ver essa sinergia brotando de quadrinhistas do seu valor e, o personagem do Bruno mostra também a maturidade e a humildade de um autor que cresceu com seu personagem... Tomara que tenham mais criações com essas partilhas.
Lance

MAURICIO R. AUGUSTO disse...

EU JÁ PUDE TRABALHAR COM O BRUNO SAUERBRONN E QUE ELE ME AJUDOU A PUBLICAR A EDIÇÃO # 1 E 2 DA MINHA PERSONAGEM A "ÁGUIA DOURADA" VI QUE ELE É UM CARA MUITO LEGAL E QUE ESTA SEMPRE DE BRAÇOS ABERTOS PARA AJUDAR OS OUTROS.

Anônimo disse...

Éum personagem bem legal, e o visual bem interessante.

RAFAEL

Tony Fernandes disse...

Com tantas criações fantásticas não dá pra entender por que é q as HQs nacionais não decolam...
isto é lamentável...
Nem Freud explica, bengala friend!

Lancelot disse...

Salve TONY FERNANDES, uma honra tê-lo aqui, voce um dos ícones do quadrinho brasileiro, tanto como desenhista, roteirista e editor, sabe perfeitamente deste cenário inexplicável... Eu sinceramente, também não sei.

Lobo Guará disse...

Pra mim, a razão pela qual os quadrinhos nacionais não decolam é muito simples, falta de criatividade para inovar.

Você sabia que Marvel e DC não fazem o menor sucesso na Europa e no Japão, e sabe porquê? O público desses lugares valorizam o produto nacional, é verdade, mas isso só acontece porque as histórias mostram personagens relacionados com a cultura do lugar em histórias voltadas para sua realidade. Esse é o fator chave que determina o sucesso de hq's nacionais em outros lugares.

Aqui no Brasil, vocês se deixam levar muito por tendências externas, ao invés de criarem as suas. Quando vocês criam personagens com: uniformes coloridos, capa, máscaras e identidades secretas, "cueca por cima da calça" e codinomes como Águia Flamejante, Penumbra, etc, vocês estão simplesmente copiando o estilo norte americano de fazer quadrinhos.

Não que eu esteja fazendo pouco caso da Marvel ou da DC, eu sempre curtia esses hq's quando criança, eu só acho que esse é o estilo norte americano de se fazer, e só fica bem com os personagens deles, servindo ao catidiano deles. Quando vocês criam personagens, teoricamente nacionais, mas
seguindo essa mesma linha, pra mim ficam parecendo cópias baratas.

Esse personagem chamado Homem Escudo, estéticamente, é muito parecido com um personagem da DC Comics chamado Guardião, cuja estória foi totalmente inspirada na do Capitão América. Só falta você dizer que ele também é um soldado criado a partir de experiências do governo brasileiro afim de combater os muitos inimigos com quem o Brasil costuma guerrear.

E é por isso que as hq's nacionais não dão certo, porque entre a cópia e o original as pessoas sempre vão preferir o original. Se vocês querem mesmo conquistar seu espaço, esqueçam a Marvel e a DC e tenham suas próprias idéias.

Lobo Guará disse...

Pra mim, a razão pela qual os quadrinhos nacionais não decolam é muito simples, falta de criatividade para inovar.

Você sabia que Marvel e DC não fazem o menor sucesso na Europa e no Japão, e sabe porquê? O público desses lugares valorizam o produto nacional, é verdade, mas isso só acontece porque as histórias mostram personagens relacionados com a cultura do lugar em histórias voltadas para sua realidade. Esse é o fator chave que determina o sucesso de hq's nacionais em outros lugares.

Aqui no Brasil, vocês se deixam levar muito por tendências externas, ao invés de criarem as suas. Quando vocês criam personagens com: uniformes coloridos, capa, máscaras e identidades secretas, "cueca por cima da calça" e codinomes como Águia Flamejante, Penumbra, etc, vocês estão simplesmente copiando o estilo norte americano de fazer quadrinhos.

Não que eu esteja fazendo pouco caso da Marvel ou da DC, eu sempre curtia esses hq's quando criança, eu só acho que esse é o estilo norte americano de se fazer, e só fica bem com os personagens deles, servindo ao catidiano deles. Quando vocês criam personagens, teoricamente nacionais, seguindo essa mesma linha, pra mim ficam parecendo cópias baratas.

Esse personagem chamado Homem Escudo, estéticamente, é muito parecido com um personagem da DC Comics chamado Guardião, cuja estória foi totalmente inspirada na do Capitão América. Só falta você dizer que ele também é um soldado criado a partir de experiências do governo brasileiro afim de combater os muitos inimigos com quem o Brasil costuma guerrear.

E é por isso que as hq's nacionais não dão certo, porque entre a cópia e o original as pessoas sempre vão preferir o original. Se vocês querem mesmo conquistar seu espaço, esqueçam a Marvel e a DC e tenham suas próprias idéias.

Lancelot disse...

Isso LObo Guará,

creio que quando acharmos este caminho que voce aborda, claro com muita propriedade, teremos definitivamente, um quadrinho nacional... Entretanto existem outros fatores que nos impedem de ter uma industria própria, como a dificuldade para se produzir, os custos, distribuição e, etc.... Espero, assim como voce, que um dia possamos ter nosso quadrinho e valorizá-lo... Quanto a questão dos costumes e ou uniformes, na grande maioria é uma memória icônica desta indústria massiva dos comics, que de certa forma, também propicia um movimento criador.... Mas, já temos muitas criações genuínas e, por assim dizer, brasileiras. Grato pelas palavras.
Lance